No final de 2009, participei do processo seletivo para o Hochschulwinterkurse in Deutschland für ausländische Studierende und Graduierte 2010, tendo sido contemplado para um curso na cidade de Freiburg, na Alemanha.

No início da faculdade eu já havia feito um intercâmbio (Work experience, nos Estados Unidos) e havia achado a experiência muito válida. Ao receber a notícia que o DAAD estava com processo seletivo aberto para o programa Deutschlandkundlicher Winterkurs logo me animei e comecei a preparar meus documentos para inscrição.

O processo seletivo foi realizado pelo próprio DAAD, sendo os formulários e documentos enviados para essa instituição. Os critérios são: análise do histórico escolar (há coeficiente de rendimento mínimo para inscrição), proficiência na língua do país destino (necessário certificado de nível B1, no mínimo) e interesse em participar (carta de motivação em alemão). Na época em que participei, também foi necessária uma carta de recomendação.

Eu já havia estudado alemão por alguns anos, mas não possuía certificado. Assim, que soube sobre o processo seletivo, corri e marquei o meu exame, no Rio de Janeiro (na época das inscrições para o Winterkurs parece que há mais oferta de exames). O meu CR de 8,3 em Engenharia Elétrica estava acima do mínimo exigido. Escrevi uma carta de motivação caprichada. E para minha felicidade o chefe de departamento da minha universidade (que havia sido meu professor há poucos meses) era um ex-bolsista de doutorado do DAAD e me ajudou com uma carta de recomendação de peso. O DAAD não divulga os motivos de sua decisão. Então, não tenho como afirmar com precisão o motivo da minha seleção. Mas, havia pessoas das mais variadas áreas de estudo no curso que participei. Desde engenharia até música e direito. Sendo assim, não há motivos para não se candidatar se você for estudante nas faixas de graduação ou pós graduação aceitas pelo DAAD.

O programa concede os seguintes benefícios: uma bolsa de EUR 1.875,00, acrescido de auxílio para passagem aérea de EUR 1.575,00 e seguro-saúde (para o período do curso). O DAAD recomenda levar de 500 a 800 euros adicionais, dependendo do curso e da cidade. Pela minha experiência, esse valor é adequado para uma estadia confortável. Na época, eu consegui comprar uma passagem mais em conta do que o valor do auxílio passagem aérea e, como eles depositam o valor do auxílio diretamente na sua conta e a responsabilidade de comprar a passagem é sua, eu utilizei essa economia para cobrir boa parte das minhas despesas durante o curso e também no passeio que realizei antes e depois do curso. Tive a liberdade para escolher as datas da viagem no período de Dezembro a Março.

A equipe do DAAD é muito solícita e organizada. Assim que o resultado do processo seletivo é divulgado, eles já passam todas as orientações. A própria equipe do DAAD faz a inscrição no curso, providencia alojamento (valor do alojamento e do curso é descontado da bolsa de EUR 1.875,00) e envia toda documentação para que os participantes não tenham problemas na imigração.

Logo nos primeiros dias conhecemos as instalações da universidade e uma integração entre os participantes do curso é organizada. No meu ano, havia participantes de vários países - África do Sul, Argentina, Austrália, Brasil, Chile, Colômbia, Namíbia, Nova Zelândia e Peru. Os participantes são acomodados nos alojamentos utilizados pelos demais alunos da universidade, em sua maioria, alemães.

O curso é todo em alemão e abrange não apenas os conhecimentos da língua, mas também cultura, história e organização do estado alemão. As aulas ocupavam a parte da manhã e da tarde. As provas foram relacionadas apenas ao aprendizado da língua alemã e no final do curso recebi um certificado. Para que todos tenham um bom acompanhamento das aulas, os participantes foram divididos em 3 turmas, baseadas no conhecimento do alemão. Como todos os participantes já possuem no mínimo o nível B1, as aulas eram muito produtivas e todos conseguiram acompanhar a evolução muito bem.

Além das aulas, tivemos várias atividades extraclasse, com excursões a locais históricos da região, atividades culturais e visitas guiadas às instalações da universidade.

Gostei bastante da vida em Freiburg. A cidade não é uma grande metrópole, mas possui uma vida cultural ativa - há um grande teatro com vasta programação. O inverno não é tão rigoroso, poucos dias com neve. O transporte público é eficiente e pontualíssimo (mesmo nos dias com neve).

Após muitos anos, ainda tenho boas lembranças sobre essa experiência e por isso decidi compartilhar minhas memórias ao ver uma postagem do Formação Global sobre a abertura das inscrições para o Winterkurs 2020 [PDF em alemão]. Em resumo, o programa é uma ótima oportunidade para quem quer aproveitar as férias de verão das universidades brasileiras para aperfeiçoar o domínio no idioma alemão contando com um grande suporte do DAAD e ainda poder aproveitar para conhecer a Europa.