Em agosto de 2013, tive o prazer de participar do Summer School da London School of Economics and Political Science (LSE), em Londres. Primeiramente, falarei um pouco sobre a universidade, para, em seguida, contar mais sobre minha experiência pessoal.

A LSE é uma prestigiada universidade, localizada no centro de Londres, UK. Como se a localização e a cidade já não fossem emocionantes por si só, tal universidade é considerada um dos principais centros de pesquisa do mundo, estando entre as cinco melhores do mundo nos campos de finanças, contabilidade, economia e política (segundo a QS World University Ranking) e contendo, entre seu alumni, notáveis economistas, historiadores, sociológos e pesquisadores, como Anthomy Giddens e Friedrich Hayek.

Com isso, não seria surpresa dizer que fiquei bastante animada com a possibilidade de fazer um summer school em um lugar tão inspirador! A ideia de estudar em uma universidade britânica surgiu um ano antes da minha ida, em meados de 2012, dando bastante tempo para planejarmos a viagem, a documentação e o mais importante – o dinheiro. A vontade de cursar um mês fora veio de algumas conversas com os meus pais sobre a minha vontade de ver como era o ensino em uma instituição européia, uma vez que eu já havia estudado dois anos em uma instituição americana (University of Maryland Baltimore County).

O summer school é dividido em dois sessions: um em julho e outros em agosto, ambos com, aproximadamente, três semanas de duração. No site da LSE Summer School (disponibilizado ao final desse texto), há a listagem, juntamente com importantes informações, dos cursos ofertados, nas áreas de adminstração, finanças, contabilidade, direito, inglês, economia, relações internacionais e política. Os assuntos são bem variados e tentam satisfazer os múltiplos interesses dos alunos interessados. As inscrições abrem por volta do final de janeiro e vão até junho (apesar de, para muitos cursos, as inscrições acabarem mais cedo por lotação das vagas disponíveis). O application deve ser preenchido no próprio site do summer school, requerendo que o aluno envie, no momento da inscrição, uma versao digitalizada do seu histórico (contendo o seu IRA – Índice de Rendimento Acadêmico) e comprovante de proficiência em inglês, todos traduzidos para inglês (algumas universidades não fazem questão que a tradução seja juramentada, como foi no caso da LSE; porém, eu, pessoalmente, recomendo que, se for possível, optar-se por um tradutor juramentado, principalmente, se estiver aplicando para mais de uma universidade).

A resposta costuma chegar de uma semana a um mês após o envio do application. Com a aprovação em mãos, é hora de pagar o curso e a acomodação. Ambos procedimentos são feitos eletronicamente, seguindo as instruções que são enviadas por e-mail; em caso de dúvidas, o staff do LSE Summer School Office é bem disposto a ajudar e costuma responder os e-mails com certa agilidade. Algumas universidades podem oferecer ajuda de custo para cursos de verão, mas não é o caso da LSE (nem da King’s College – outra universidade britânica, em que fui aceita para fazer summer school); por isso, é importante planejar com antecedência a viagem, por questões financeiras.

Para a Inglaterra, nós, brasileiros, não necessitamos de visto; no entanto, como é uma viagem para estudos, há a necessidade de se tirar uma permissão de entrada no país. Tal permissão pode ser retirada na chegada ao aeroporto, mediante carta de aceitação do curso e comprovantes de estadia e recursos financeiros suficientes para se manter durante o período desejado; porém, se o aluno, como eu, quiser evitar possíveis dores de cabeça, é também possível tirar tal autorização no consulado, mediante a apresentação dos mesmos documentos e pagamento de taxa em doláres (informações disponíveis aqui: GOV.UK e aqui: LSE – student visitor). No caso da acomodação, a LSE possui várias opções de alojamento, distribuídas pelo centro de Londres; elas são, normalmente, mais financeiramente acessíveis do que hotéis (informações aqui: LSE- accommodation); apesar de não ser obrigatória a estadia em uma dessas acomodações, eu as recomendo por serem acessíveis, próximas da universidade e no centro da cidade e pela interação com outros estudantes internacionais que também estarão fazendo summer school.

O curso que eu selecionei foi o IR 102: Capitalism, Democracy e Equality; visando bastante a minha área de especialização, tal curso ofereceu um excelente overview sobre a relação entre economia e democracia e foi perfeitamente útil tanto nos meus estudos na UnB, quanto em meus trabalhos acadêmicos. O método de avaliação varia, dependendo do curso escolhido; no meu caso, tive duas avaliações: uma redação no meio do curso e uma prova discursiva ao final. Durante o curso, tive acesso à excelente biblioteca da universidade e à oportunidade de atender a excelentes palestras. Como o ritmo é bem corrido, havendo grupos de discussão todos os dias, recomendo um conhecimento prévio sobre o assunto estudado no curso. No mais, altamente recomendo o summer school da London School of Economics; os estudantes interessados terão acesso a um estrutura acadêmica excelente, palestras e aulas enriquecedoras, sem contar com uma cidade vibrante!

Mais informações sobre o Summer School: www.lse.ac.uk/study/summerSchools